sexta-feira, 30 de dezembro de 2011

Interrupção da pausa para...

Desejar um Feliz 2012 a toda a blogosfera e dizer-vos que o Menino Jesus foi generoso comigo no Natal!!

Não há forma mais simples de o dizer.


Estou grávida!!!!!

E não aguento tanta alegria!!

Os milagres acontecem e são mais que merecidos!

Obrigada a quem esteve sempre desse lado, e às novas mamãs um grande beijinho!

Feliz 2012, que o meu ano novo vai ser muito feliz sem dúvida!

segunda-feira, 26 de dezembro de 2011

Feliz Natal à blogosfera

Feliz natal à blogosfera!

Eu cá passei um feliz natal, rodeada da minha familia, com alegria, com espirito de entre-ajuda, rimos, brincámos, conversámos. E de facto, não são necessários presentes para haver o espirito de natal, para acreditar na magia e união da familia.

E por ora, o blog fica em stand by. Obrigada a quem me leu, a quem me escreveu, a quem me aturou. Estou bem de saúde, felizmente, mas há qualquer coisa em mim que me impede de continuar. Vou lendo o que por aí se escreve e vou voltando de quando em vez.

Se não falarmos até lá, faço votos de um feliz 2012, repleto de saúde e coisas boas.

E mais uma vez, Obrigada!

quinta-feira, 15 de dezembro de 2011

Não, não abandonei o blog

Na verdade, não tenho muito tempo vontade para escrever, no entanto, vou lendo o por aí se escreve.

A época natalicia era uma época que eu gostava muito. Não deixei de gostar mas...fico triste por sentir que o verdadeiro espirito de natal não existe. Apenas existem presentes caros, jantares para inglês ver, carta familia reunida apenas por frete...

Eu cresci com pouca coisa, presentes de natal eram roupa nova para usar ao domingo, sapatos para levar para a escola, algum material escolar que fizesse falta. Eu cresci com muito pouco de material...no entanto, não me faltou amor, carinho, valores, conforto, comida...e cresci muito feliz.

Deparo-me agora (de há uns anos a esta parte) com um familia que valoriza os bens materias, que prefere comprar presentes caros e em quantidades absurdas em detrimento de uma viagem apenas para passar o natal em familia...e esta não é a familia que eu quero dar aos meus filhos...

E se antes delirava com o Natal...agora quero que passe rápido...muito rápido...para o meu coração não estar tão triste.

quinta-feira, 24 de novembro de 2011

Da greve

Não, não fiz greve geral...mas fiz greve de zelo.

O marasmo profissional assim o obriga, a greve de zelo. Se querem que o funcionário público produza... dêem-lhe ovos para as omeletes. Isto hoje não está fácil. Há quem queira MESMO produzir e não consegue...para ficar um dia inteiro sem fazer nada era bem mais agradável ficar em casa. Não tenho prazer nenhum em sair de casa de manhã apenas para cumprir horário no ultimo sitio que me lembraria de procurar para passar o dia.

Já recebi, e quando vi o recibo de vencimento ia tendo um colapso nervoso. Mas não descansei enquanto não percebi ao cêntimo que raio de contas eram aquelas. E são umas contas MUITO MAL FEITAS!!!!(mas eu aqui não mando nada)

quarta-feira, 23 de novembro de 2011

Dos conteúdos funcionais e das injustiças

Acabo de descobrir mais uma abertura de concurso público para assistente operacional para um Município.

O conteúdo funcional é: Fecho e abertura do Posto de Turismo; recolha bibliográfica de conteúdos para elaboração de material turístico; conhecimentos falados e escritos de línguas estrangeiras; apoio na realização de actividades de promoção e animação turistica.

Pergunto: Será que estas não serão as funções de um Técnico de Turismo?

Chateia-me muito ver o desprestígio da profissão de Técnico de Turismo. Não é menosprezar a categoria de Assistente Operacional, mas não creio que alguém a quem a habilitação exigída seja a 4ª classe possa desempenhar funções com o mesmo rigor que noutros locais são desempenhadas apenas e só por licenciados em Turismo.

Será um concurso para alguém que já lá trabalhe e apenas é necessário regularizar uma situação. Tudo bem, concordo, mas sinto-me no direito de concorrer apenas para impugnar o concurso.

De uma carta de indignação não se livram.

O que é a trnd?

A trnd é uma comunidade cujos membros têm a oportunidade de experimentar novos produtos e serviços, combinando diversão, inovação e participação.
Os membros escolhem os projetos nos quais querem participar, dentro de uma extensa gama de produtos, entre os quais: computadores, produtos de beleza, telemóveis, pizzas, livros, viagens e música.

Aqui

Loucura de Natal

Eu sei que ainda não há previsões de receber vencimento, mas cometi uma loucura ponderada.

No Clubefashion está a decorrer uma campanha irresistível. Relógios One com 60% de desconto. E eu queria muito um relógio. E assim resolvi o problema do meu marido. Já tem presente de natal para me oferecer. E não tem de gastar um cêntimo. E tal como fiz com a pulseira de couro da Silverado (que está guardada desde Junho) que os meus pais me vão oferecer (e ainda não sabem) ficará guardado até à noite de Natal para ter o prazer de desembrulhar o presente.




terça-feira, 22 de novembro de 2011

Já lá vai o tempo...

Já lá vai o tempo em que trabalhar para o Estado era garantia de emprego e vencimento para a vida.

Para além de todas as medidas anunciadas, os cortes e o raio qu'parta, um qualquer problema informática deixou-me (a mim e a mais umas centenas) sem vencimento.

Ora pois bem, é muito desagradável trabalhar o mês inteiro e chegar ao dia de receber e dinheirinho que é bom, nada. E nos casos em que há prestações a sair nesse dia ou no seguinte. Os credores não querem saber se houve atraso nos pagamentos. O dinheiro não está onde deveria estar, e pumba, juros de mora para cima. No caso dos vencimentos deveria ser a mesma lógica. Atrasos no pagamento do que é devido aos trabalhadores e pimba, juros de mora também...é que nem sequer há previsões que receber nos próximos dias.

Já bem bastava ter um corte (não sei bem de quanto) no subsídio de natal e para alegrar as hostes...nem subsídio nem vencimento.

sexta-feira, 18 de novembro de 2011

Não devia ser só por ser figura publica

É óbvio que sou sensível ao facto do filho do Carlos Martins necessitar de um dados de medula. Sou dadora e orgulho-me disso. Mas não sou dadora por filho de A ou B necessitar...sou dadora porque muitos precisam e eu andava a adiar nem sem bem porquê. A minha irmã já o era, e a mim faltou-me um clique para me tornar dadora. Mas tornei-me. Não para salvar o filho de alguém famoso, não para salvar pessoa X. Fi-lo desinteressadamente por alguém. E acho que é assim que deve ser encarada a dádiva de sangue.

Incomoda-me que se doe sangue para salvar esta ou aquela pessoa em específico. Parece que apenas se vai dar para essa pessoa e que se fosse por outra diferente não se doava...Tenho verificado isso com esta ultima onda de solidariedade para com o filho do Carlos Martins. 

Ainda bem que se tornam dadores. Mas deveriam sê-lo pela comunidade em geral, por motivos correctos e não por elitismos...  

O que andei a perder durante 5 anos

Descobri que tenho vários medronheiros no meu bairro. Estavam lá num cantinho onde poucos passam e ninguém os apanha. Estiveram sempre lá, durante 5 anos não os descobri...

Conseguem adivinhar qual vai ser o programa de fim de semana?

terça-feira, 15 de novembro de 2011

Tão previsível

O meu marido (e quiçá a maioria dos maridos) é tão previsível.

Basta fazer asneira para se dedicar com afinco às tarefas domésticas.

Desta vez até à tábua e ao ferro se agarrou.

E foi lindo de ver. Vapor por todo o lado, roupa espalhada tipo feira. Panos e toalhas passados na perfeição. Camisas...é melhor pôr a lavar novamente.

segunda-feira, 14 de novembro de 2011

Como ganhar pontos para converter em vales de combustível

Já estou registada no site Impresa Directa há algum tempo, mas não sabia que vantagens poderia ter com o registo. Até que hoje descobri que atraves do registo de amigos ganho pontos que podem ser convertidos em vales de combustível.

A ideia agrade-me muito (devido aos preços absurdos do combustível), embora não saiba se funciona ou não, não custa tentar. Não perco nada com o envio de convites aos meus amigos.

Se quiserem podem fazer o registo aqui. Se ganhar pontos com os vossos registos aviso, para assim vocês também criaram a vossa rede de registos, e ganhar, nem que seja um vale de 10€ de combustível.

Também é o que sinto hoje


Ou, no fim das contas, quase nada do que parece o é.

sexta-feira, 11 de novembro de 2011

O problema não és tu, sou eu

Apesar de ter assuntos para escrever no blog a verdade é que não me apetece escrever. Leio o que por essa blogosfera se escreve mas nem para comentar tenho grande vontade.

O facto de continuar num grande marasmo profissional contribui em grande parte para isso...mas não tenho margem de manobra para arriscar muito neste momento, até porque ninguém me compra a casa, e tenho de continuar a pagá-la. Vou deixar-me estar sossegadita até que veja alguma luz a brilhar em algum lado.

segunda-feira, 7 de novembro de 2011

01/11/2011- Dia Pessoal do Turismo em Lisboa

E assim foi, fui turista em Lisboa! E como adorei ser!!! Lisboa bate aos pontos Madrid e Paris (as únicas capitais a que já fui 4 e 2 vezes, respectivamente). E bate-as aos pontos porque é nossa, fala-se português, come-se e bebe-se à confiança, dirigimo-nos a qualquer pessoa e um sorriso é garantido.

Cheguei a casa com um sorriso parvo de alegria.

Os meus pais ofereceram um voucher "A vida é Bela" ao meu J. Eram experiências de aventura que incluíam esta que acabamos por escolher uma vez que permitia ser realizada por duas pessoas. E como curiosa que sou, fui ao site da empresa pesquisar mais informação sobre a experiência e descobri que a empresa oferece aos bloggers uma hora de condução de Gocar, válida para a primeira vez que se utiliza o serviço. E juntei a hora do voucher com uma hora de oferta, e o resultado foi pura diversão!

Claro que andar de Gocar em dia de semana, com trânsito, é praticamente impossível. Era feriado, praticamente não existiam carros e ainda assim sentimo-nos desprotegidos no meio da estrada, ao inicio até diziamos que o carrinho se virava. Mas felizmente isso não aconteceu.

As rotas disponíveis são 4, a zona da Baixa divida em 2 partes, este e oeste, a zona de Belém e a zona da Expo. Como estas últimas já conheciamos optámos pela Baixa, pensando que conseguiriamos fazer as duas rotas. Fizemos uma que o tempo não deu para mais mas foi fantástico.



Lisboa tem realmente o seu encanto! Miradouros lindos, bairros que são aldeias dentro da cidade, recantos magníficos. A experiência de Gocar tem tanto de divertido como de surpreendente. Toda a gente tira fotos ao nosso carrinho, a menina do GPS a falar faz virar a cabeça a todos os transeuntes, a aventura de condução (que a viatura não tem marcha atrás) é hilariante e todos ajudam a fazer a manobra.

Foi uma manhã super divertida, super bem passada, rimos como uns loucos e fomos turistas em Lisboa.

E aqui para nós que ninguém nos ouve...é uma jogada publicitária de génio, oferecer um passeio de gocar a bloggers!!!

segunda-feira, 31 de outubro de 2011

Dia de Passeio

Diz que amanhã é dia de passeio pela Capital!

Há muito tempo que quero fazer turismo pela capital, porque na verdade, não conheço Lisboa com olhos de turista. Conheço Lisboa dos Jerónimos e do Padrão dos Descobrimentos, Lisboa do Parque das Nações e Lisboa dos Centros Comerciais.

Quero conhecer Lisboa da Baixa, do Castelo, do Bairro Alto, do Chiado. Quero muito conhecer Lisboa dos bairros típicos e de locais simpáticos. De miradouros e elevadores.

E diz que é amanhã que vou ser Turista em Lisboa.



sexta-feira, 28 de outubro de 2011

Das poupanças e dos gastos

Apesar da crise estar instalada fui aplicando métodos de poupança ao longo do ano e actualmente conforta-me o coração e a conta bancária ter dinheirinho quase suficiente para em Janeiro pagar o imposto de circulação da minha viatura de 4 rodas (que ao que parece vai aumentar, apesar de já ser um valor de 3 dígitos), para em Fevereiro pagar o seguro do mesmo, e em Março pagar o seguro da viatura de 2 rodas. E assim não terei de utilizar o subsídio de natal que vi reduzido a metade.

Em 2012 começarei logo em Janeiro a poupar para fazer face às mesmas despesas de 2013. Assim evito sufocos como o dos meus amigos que têm seguros para pagar e contavam com os subsídios de férias e natal. Ou até situações como a de uns vizinhos, embora não tenha nada a ver com a vida deles, deixaram de pagar o condomínio (45€) e ontem foram cortar a televisão por cabo por falta de pagamento...mas enganaram-se e cortaram a minha, por isso sei que foi por falta de pagamento, no entanto, cada um anda com seu carrinho para cima e para baixo, fumam e não dispensam umas valentes idas ao café...

Há que estabelecer prioridades e os tempos que se aproximam não serão fáceis, mas temos de continuar a viver, com mais ou menos dinheiro disponível temos de continuar a pagar as nossas contas. E se tiver de abdicar da TV por cabo para continuar a ter as contas não abdicáveis (como o condomínio) em dia assim o farei.

Do meu pai

Obrigada pelo apoio que transmitiram através dos comentários. Não é nada fácil entender um doente mental...é uma tarefa que nos leva à exaustão dia após dia. É meu pai e não vou desistir embora haja alturas em que dá vontade...

Quanto à consulta...correu bem dentro do possível. Ele não está doente, o médico é um chato, as filhas são exageradas e os medicamentos fazem-lhe mal. Mas 1 segundo depois, ainda bem que o médico quer conversar com ele, as filhas são as melhores do mundo que se preocupam e sim, é bom para ele tomar a medicação. Depois de sair da consulta nem sabe o que lá foi fazer pois não precisa de médico nenhum, está bem, não precisa de ninguém (mesmo que caia redondo no chão sem força nas pernas),´consegue ser completamente independente e nem sabe se nós somos mesmo filhas dele (oh, de certeza que somos...eu porque não dá para negar as parecenças de cara, e a minha irmã pelo feitiozinho difícil).

Iniciou outro tratamento complementar para "desenferrujar o cérebro" e esperamos mais 3 meses. Até lá teremos de iniciar outra luta...declará-lo incapaz. Só com ordem do tribunal é que ele pode deixar de conduzir, que neste momento representa um perigo para ele e para ou outros. O tribunal pedirá uma junta médica que avaliará a condição dele, quer física quer mental, e até eu que sou leiga no assunto, sei que ele não pode continuar a conduzir, ainda que ele alegue que antes de eu nascer já ele conduzia há muito tempo...

É uma luta difícil, muito difícil que por vezes nos leva a pensar que o erro reside em nós...que não o sabemos entender e ajudar...mas a verdade é que fazemos tudo, mesmo tudo para lhe proporcionar o melhor conforto e bem estar possível.

Aguardemos dias melhores...

Quanto à minha sogra...deu uma valente queda e passou a tarde (leia-se 15h-23h) na urgência por precaução uma vez que bateu com a cabeça e face e a tensão estava super elevada. Felizmente nada de grave, e apesar de não a achar uma pessoa com bom fundo...é mãe do meu marido...e também me preocupo.

A melhor forma de agradecer!

Quando me fazem um favor, sem segundas intenções, sem esperar nada em troca e por puro altruísmo e boa vontade gosto de agradecer de forma especial.

Se alguém tem um gesto desinteressado para connosco acho que é simpático agradecer de forma diferente, tal qual como quando se leva um vinho, sobremesa ou flores num convite para jantar.

E a melhor forma que encontrei para agradecer um favor a alguém que é de outra região do país é arranjar um cabaz com produtos regionais, um cartão e um sorriso.

E hoje antes das 8 horas (porque ontem foi um dia particularmente complicado com pai e sogra no hospital) já nadava eu a preparar dois cabazes com produtos regionais pouco comercializados e deliciosos. Azeite, mel e bolos pareceu-me uma boa escolha. Mais logo entrego, falta o cartão que deve ser algo divertido mas ao mesmo tempo sóbrio. Vou tratar disso ao almoço.

Se quiserem preparar um cabaz igual ao meu basta procurarem aqui .

quarta-feira, 26 de outubro de 2011

Dias dificeis...

O meu pai teve um acidente conforme já falei aqui,no entanto após o acidente foi-lhe diagnosticada Paraparésia Espástica Familiar, uma doença neurológica que afecta os músculos dos membros inferiores e que não há mais tratamento a não ser um tratamento de fisioterapia especifico e adaptado.

Mas ainda assim, a parte motora é o problema menor...desde sempre nos habituamos a lidar com olhares, comentários, discriminações...e só de há uns anos a esta parte é que os deficientes estão mais ou menos integrados na sociedade, o que de certa forma facilita um trabalho que fizemos durante anos seguidos na integração do meu pai.

O problema grave e sem solução é a parte neurológica e psicológica...um traumatismo craneo-encefálico pode, com o passar dos anos levar a demência total. As vitimas de traumatismo podem tornar-se agressivas, neuróticas, dementes e dependentes.

O meu pai tem 49 anos...e chegou a altura...não tem melhoras, e a solução passa por internamento em psiquiatria uma vez que se recusa a continuar a medicação. Para ele, e para todos os doentes bipolares, vitimas de AVC ou Alzeimer, está bem, não necessita de medicação e o mundo todo é que está errado...

É amanhã é a derradeira consulta de psiquiatria para se decidir o que fazer...

sexta-feira, 21 de outubro de 2011

Arriscar ou não?

O dia de ontem correu bem. o conforto no coração é o melhor presente de aniversário que alguma vez poderei vir a ter. O calor da minha família é algo que realmente me faz feliz.

E tive uma proposta de emprego tentadora. E neste momento não sei se estou tentada a arriscar. O que será melhor, um vínculo definitivo à função pública numa área que gosto muito mas para a qual não estudei, que não me realiza e que implica estar separada da minha família por 200kms, ou um emprego que não sei se será precário, que não sei se dará resultado num complexo turistico inovador que irá abrir em 2012 na praia, na minha área de formação, junto à minha família?

Não tive problema em dizer quanto queira ganhar e assim até podia ponderar despedir-me da função pública (que ao contrário do que muita gente pensa, não é o emprego de sonho com mordomias e regalias e que os últimos acontecimentos o comprovam). Se sou boa no que faço  se me querem a trabalhar têm de me dar condições para tal. Pode parecer presunção achar que sou boa profissional, mas também não sou de falsas modéstias. Não tenho execesso de confiança, mas sei o meu valor e acredito muito em mim. Aqui tenho o meu salário no dia 21 de cada mês e sem surpresas. Posso estar longe da minha família, pois que sim mas também tenho contas para pagar...

A téroika deixa-me com algum (para não dizer muito) medo (para não dizer pavor) dos tempos que se seguem. Claro que não sou paranoica com isso, mas assusta-me pensar que poderei chegar ao fim de um qualquer mês e não ter dinheiro suficiente para pagar as minhas contas...E poderia ser insensato da minha parte deitar fora um emprego como o meu neste momento de grandes dificuldade para o país.

O meu marido diz que se eu quiser arriscar ele até nas limpezas trabalha se for preciso, pois o trabalho dele também não está muito bem de saúde. E qualquer dia pode deixar de haver dinheiro para salários se continuarem a esbanjar como têm feito até aqui. Má gestão e super protecção de algumas trabalhadoras que dão graxa e o corpinho ao manifesto (se é que me faço entender) que recebem de ajudas de custo valor superior ao salário base....e julgava eu (ingénua) que ajudas de custo recebiam-se na função pública e não no privado...

E daí não sei mesmo...se há uns tempos estava decidida em mudar de cidade de emprego e tal, neste momento tenho medo porque é algo novo que pode dar certo ou não. Pode fechar ao fim de uns meses, podem despedir-me (porque o turismo é feito de rotatividade e sazonalidade e neste momento, infelizmente as pessoas têm cada vez menos €€€disponibilidade€€€ para fazer turismo).

Por outro lado vejo o exemplo da Marianne que é uma Mulher cheia de garra e coragem que não teve medo. Arriscou sem olhar para o lado, e muito menos para trás. E também tem contas para pagar e dois filhos pequenos.

Exemplos destes dão-me alento para continuar. Cenas dos próximos episódios se aguardam e o verão de 2012 parece que ainda vai lá longe. Pelo menos já imprimi novo CV para ter aqui à mão caso seja necessário.

A propósito de continuar, continuo também na minha luta contra os 70 kgs que TINHA e a coisa está a correr muito bem.

quinta-feira, 20 de outubro de 2011

Parabéns a mim!!

Gosto muito do dia 20 de Outubro, do Outono e de ser feliz!

Parabéns a mim!

quarta-feira, 19 de outubro de 2011

Da atenção que fazem aos clientes e que eu gosto

Quando fui a Barcelona optei por levar carro até ao aeroporto e deixa-lo estacionado no parque. Fiz a reserva on-line através do site. Correu tudo bem, excepto no momento em que recebi o extracto do cartão de crédito. Debitaram 2 vezes a reserva. E fiquei furiosa...a pensar que já não iria recuperar o dinheiro uma vez que tinha passado um mês.

Liguei e super atenciosos prontificaram-se a devolver o dinheiro debitado indevidamente. E apesar de referirem que demoraria 2 semanas a receber a devolução o certo é que ao fim de 48 horas tinha o dinheiro na minha conta.

Bom serviço, excelente serviço. Utilizarei sempre que viajar de avião este serviço de parque, não fica caro, o carro fica seguro e têm um bom serviço de apoio ao cliente.

terça-feira, 18 de outubro de 2011

Das oportunidades

Acredito piamente que todos merecem uma segunda oportunidade. É também dar uma oportunidade a nós próprios...

E em várias vertentes eu dou oportunidades, todas as que me pedem e que eu acho que merecem ser dadas. E sinto-me muito mais feliz com isso.

terça-feira, 11 de outubro de 2011

Aqui também se faz Serviço Público

Todos nós já tivemos um ou outro problema relacionado com o consumo. E regra geral, a DECO é o que nos vem logo à cabeça para nos ajudar a resolver o nosso problema, seja ela qual for.

O senão é que, para se ter apoio da DECO é necessário ser-se sócio, e nos dias que correm todos os trocos são importantes.

Já fui sócia da DECO e não senti que tivesse grandes apoios na resolução de conflitos de consumo. E desisti.

Tive dois grandes problemas, um com o carro e outro com a casa ainda dentro da garantia. E para ambos tentei a DECO que pouco adiantou. No entanto, e após milhentas pesquisas descobri o Portal do Consumidor, que é muito útil nestas coisas de conflitos de consumo. Pode fazer-se reclamação online e posteriormente a queixa é reencaminhada para o CNIACC – Centro Nacional de Informação e Arbitragem de Conflitos de Consumo. São bastante prestáveis e de facto junto das empresas alvo da nossa reclamação. A mediação do conflito é totalmente gratuita e se não houver entendimento inicia-se um processo de Arbitragem nos Julgados de Paz. O me processo ainda está no inicio e espero que se resolva a bem. É um problema gravíssimo com a minha casa e apesar de ter sido identificado logo após a compra o construtor foi protelando o arranjo até que terminou a garantia. Mas se o consumidor tem direitos, porquê deixar passar em branco e ficar com o prejuízo?

Existe ainda, para o sector automóvel, o Centro de Arbitragem do Sector Automóvel, e aqui foram impecáveis. Explicaram-me a legislação e os procedimentos que deveria efectuar para resolver o meu problema. Resultado, não tive de pagar uma factura de mais de 300€ que o stand onde comprei o carro me apresentou, pois alegava que o carro já tinha passado a garantia, mas a anomalia foi identificada ainda antes da garantia ter terminado. Os mecânicos é que não arranjaram o que tinham de arranjar e 1 mês depois o carro lá voltou. Não iria pagar de forma alguma, mas só depois de verem que nós estávamos informados sobre os nossos direitos e deveres da oficina e do stand, deram-nos um aperto de mão, ficaram com a factura e seguimos a nossa vida.

Por vezes é mesmo assim, por falta de conhecimento somos levados ao engano. E ninguém gosta de ser enganado, muito menos ter de gastar dinheiro devido a erros dos outros. E se nós somos consumidores, pagamos por um bem ou serviço, temos mais do que direito a usufruir dele na sua plenitude.

São estes serviços gratuitos que o nosso Estado tem à nossa disposição e nem sempre os usamos pois não sabemos da sua existência. Eu não sabia...e fiquei muito satisfeita por os ter conhecido e utilizado.

segunda-feira, 10 de outubro de 2011

Eu disse!

Eu disse que ia mudar e comecei com essa mudança.

Na ultima semana fiz 120 kms de bicicleta, quer na estática, quer na de BTT. O peso não alterou não senhora, mas sinto-me menos flácida.
E o plano de treino será 3 dias por semana cerca de 25 minutos/dia na bicicleta estática e ao fim de semana cerca de 25 a 30 kms de BTT, com muitas subidas que eu vivo num local deveras alto e com subidas ingremes. Ou seja, 30 kms de dificuldade elevada.

E estou de rastos, pois estou, mas com um sorriso de orelha a orelha e melhor, o meu marido resolveu ser meu PT, o que ajuda muito nesta fase inicial e aproxima-nos ainda mais.




quinta-feira, 6 de outubro de 2011

Stay hungry, stay foolish!

Máxima utilizada por Steve Jobs e que eu gosto particularmente!

terça-feira, 4 de outubro de 2011

Hoje é o dia!

Hoje é o Dia Mundial do Animal e o meu canito está apaixonado, e em greve de fome...:(

Já não sei o que fazer para ele comer...e a ração não é propriamente barata para deitar fora e comprar outra...

E quanto à paixoneta...há uma cadela no bairro que está no cio e é ver os cães todos a fazer romaria ao portão onde ela está. Mas uma lady não se deixa idulir por meia duzia de garanhões com a mania que são melhores que o resto do mundo e ainda que com o cio ela não liga nenhuma aos cães que por lá passam.

Mas fico com pena dos bichinhos...principalmente do meu...que deve estar a sofrer.

segunda-feira, 3 de outubro de 2011

De volta aos bancos da escola

Tenho andado a mil, mas com um sorriso imenso.

As ultimas semanas foram de formação. Muito útil dispormos de ferramentas que nos ajudem no contexto profissional. Há que saber retirar o melhor de variadissímos exercícios e reflexões. Gosto das formações assim, interactivas, descontraídas, em que os formadores não vomitam os diapositivos. Prefiro aprender de outra forma. è mais produtivo. E assim foi.

Para ajudar à festa, resolvi que quero voltar à escola. Como nenhum mestrado me enche as medidas (e não vou tirar um mestrado só por tirar como se vê frequentemente e isso é matéria a explorar num próximo post), resolvi tirar nova licenciatura. A outra é minha, tirei-a com muito suor e esforço (e muito álcool e festarolas também), não vai deixar de ser minha, não vai deixar de constar no meu CV, mas Turismo serve para trabalhar em Turismo...o que não é o caso, e como tal sinto que não me serve de nada.

Sinto falta de algo mais. Quero aprender mais e quero tirar o melhor partido da área em que trabalho. E assim sendo candidatei-me a Gestão. Não sei se terei vaga este ano, e nem sequer sei se a minha candidatura será aceite uma vez que já a apresentei fora do prazo mas com a devida justificação e disseram que iam analisar. Mas se não tiver vaga este ano tentarei para o próximo. Não sou gaja de desistir de nada e descobri em mim uma faceta que desconhecia. Sou bem mais forte e preserverante do que alguma vez imaginei e que durante muito tempo me fizeram pensar e sentir que não o era.

Nunca imaginei que me apoiassem tanto, os meus pais e o meu marido. É que requer tempo, esforço e dinheiro...e a crise está instalada. Mas havendo apoio, vontade e espírito de aventura e sacrifício tudo se consegue. E se engravidar nos entretantos? Desde que haja dedicação tudo se consegue. Não me parece que seja impeditivo.

quinta-feira, 22 de setembro de 2011

Dos Filhos...

É publico que eu quero muito ter filhos. Quero mesmo, mas também acredito que a natureza sabe o que faz.

Se engravidei naturalmente da outra vez acredito que engravidarei naturalmente quando a natureza assim o decidir.

Quero ter filhos mas não estou desesperada para ser mãe. Não quero tomar comprimidos nem forçar nada até que algum médico assim o decida (isto quando eu também achar que já passou tempo demais sem engravidar).

Tenho coisas para fazer, vida para viver, não incompatível com ser mãe, é um facto, mas ainda assim, acredito que nada acontece por acaso, e se não engravido naturalmente mês após mês, a vida pode ter outras coisas reservadas para mim antes de ser mãe.

E as pressões chegam de todos os lados, porque esta também está grávida, porque a outra já tem 2 filhos e porque és a única que já casou e não engravidou antes dos 30. And so what?!?

Será que existe alguma clausula no contrato casamento que obrigue a ter filhos ao mesmo tempo que as outras que casaram quando nós?!Não, pois não...para quê estar a forçar algo que deve ser natural?

terça-feira, 20 de setembro de 2011

2 anos antes e 2 anos depois


Nota: O Dia C foi a 5 de Setembro, mas estava demasiado ocupada a passear por Barcelona. Entretanto, as fotos ficaram perdidas algures no computador e eu já um pouco deprimida. Felizmente após um scan completo lá as encontrei.

sexta-feira, 16 de setembro de 2011

Das grandes fortunas

Não percebo nada de economia, mercados bolsistas, investimento nas alturas certas e afins.

Talvez por não perceber é que me intriga o facto dos grandes milionários o serem pelo seu esforço e trabalho e todo o mundo os admirar por serem pessoas que subiram na vida a pulso.

Tenho para mim que ninguém fica multimilionário à conta apenas de trabalho honesto e analisando o percurso de alguns homens mais ricos do nosso país há sempre ali um periodo em que se dá o salto mas as acções praticadas nem sempre são claras e por vezes até são comprovadamente fraudolentas. Mas como são senhores poderosos sabem bem como contornar os problemas judiciais, ou como já passou muiot tempo deixa-se cair do esquecimento. Ainda bem que o enriquecimento ilicito vai passar a ser crime. Só não percebo porque nunca o foi.

O meu avô era contrabandista, era muito muito rico, e não fossem problemas de alcoolismo teria conseguido manter a fortuna, multiplica-la vária vezes. E a fortuna não foi ganha com o fruto de trabalho honesto. Por isso desconfio muito de certos milionários que temos por cá.

"O Filho de Mil Homens"

Novo livro de Valter Hugo Mãe chama-se “O Filho de Mil Homens”, conta a história de Crisóstomo, um homem com 40 anos que assume a tristeza de não ser pai.



Estou muito curiosa e o faltam apenas 34 dias para o meu aniversário.

Gente que fuma na clandestinidade, atentai no que vos digo.

Por favor, após fumarem um cigarro, ou dois ou três:
  • não ponham creme nas mãos;
  • não masquem pastilhas de mentol;
  • não tomem banho em perfume;
  • não façam as acções anteriores ao mesmo tempo.
A frangrância que daí resulta é bem pior que o cheiro do tabaco, e se o objectivo é disfarçar...o efeito é exactamente o contrário.

quinta-feira, 15 de setembro de 2011

Decisões...

Acho que tomei uma decisão que não queria tomar...é um mal necessário para um bem maior.

Não ficarei feliz e não farei ninguém feliz com ela, mas não me sai da cabeça...penso repetidamente em tomá-la.

Como não me sai da cabeça talvez seja mesmo uma decisão para levar efectivamente a cabo.

Só não sei se não a levo a cabo por falta de coragem ou por não ter a certeza se será o caminho certo.

terça-feira, 13 de setembro de 2011

Cultivar amizades

Sou de amizades fáceis. Claro que não ponho a minha vida toda de pé em amizades recentes ou em amizades pouco sólidas, mas gosto de ter amigos, conhecidos e colegas. Sou de sorriso fácil e gosto de tentar novos conhecimentos, que daí podem resultar boas amizades.

Mas para que uma amizade perdure e se construa, é necesário ser cultivada. E quando os outros não a cultivam comigo, não vejo porque deva eu insistir em cultivá-las. Mas fico triste.

segunda-feira, 12 de setembro de 2011

Descansar das férias

O conceito de férias varia de pessoa para pessoa. E o meu está ali entre o cansar-me muito e o cansar-me em demasia...

E posto isto agora vou descansar para recuperar das férias.

Hoje de manhã ainda quis inventar desculpas para não ter de me apresentar ao serviço.

A reter: reservar 3 dias antes de voltar ao trabalho para recuperação...e não me meter em aventuras de apanhar nozes de 34 nogueiras nem limpar ervas um terreno dotado ao abandono desde 1900...

Fora isso, Barcelona não se esgota...nem pela 4ª vez...mas ir com a familia faz com que o turismo seja encarado de forma mais simples, básica e sem grandes aventuras. Ficou a promessa de voltar brevemente.

sexta-feira, 2 de setembro de 2011

Fazer a(s) mala(s)

Tenho dúvidas se faça uma mala com roupa de Verão ou com roupa de Inverno...na duvida faço duas e logo á noite escolho qual levo!

E lá vou eu pela 4ª vez a Barcelona!!!E nunca se esgota! Abençoado tio que resolveu que ali é que era bom sitio para comprar casa!!!

Nada se perde, tudo se transforma...

















Papel que as mãos transformaram, que a chuva teima em destruir e que as mãos transformam de novo, para que nada se perca, principamente a tradição de um povo.

Das férias mais que merecidas

Depois de 1 mês inteirinho a trabalhar sozinha eis que chega finalmente a minha hora de ficar de férias.E esta primeira semana foi dura...muito dura!

Começou a ramboia ainda estava a trabalhar. Festival do Crato para ver Deolinda e Homens da Luta.

Ora eu que já tinha visto Deolinda duas vezes em sala fiquei muito desapontada...Homens da Luta também tinha visto em sala antes do "Homens da Luta boom", e preferi desta vez, em espaço aberto. Também os recursos que têm são outros e o púbico reage de forma diferente. Os Deolinda actuaram em ultimo e o choque foi notório...estavam com alguma dificuldade em cativar o público depois daquela agitação toda dos Homens da Luta, mas no geral gostei. O grande problema é que fui para a cama às 4 da matina e eu que sou moça pacata e gosto de ficar no sossego do  lar a ver a novela, no dia seguinte tive sérias difuculdades em acordar...ainda ponderei "adormecer" de propósito.

Sabado foi dia de ronha...mas para me preparar para Gotan Project que ansiava à muito por ver! E foi bom, muito bom!


E só fazia sentido se fossemos as duas, numa alegria imensa depois de anos desencontradas!


Depois seguiu-se uma semana de limpeza em casa. E à conta disso 68kgs já cá cantam!!

quinta-feira, 25 de agosto de 2011

Mulher de coragem!

Ainda estou em choque...por momentos pensei que estava a ver um filme, mas não...era mesmo o noticiário da SIC.

Havia tiroteios nas ruas de Tripoli e a jornalista Cândida Pinto estava a entrar em directo de cocoras. Ouviu gritos na rua, levantou-se e olhou por cima dos arbustos que a protegiam na varanda. Não sabia se havia confrontos ou os rebeldes a celebrar alguma conquista...e eis que começa o tiroteio sobre a varanda do hotel onde os jornalistas estavam a fazer os seus directos...ela só teve tempo de se baixar de novo.

Ainda tenho o estomago todo embrulhado por ter assistido àquilo...mulher de coragem aquela, que arrisca a vida para informar...


terça-feira, 23 de agosto de 2011

Na blogosfera como na vida

Reparo que existem pessoas de muito mal com a vida. E isto a propósito dos comentários imbecis que recebi. Resolvi não os publicar porque de valor acrescentado não têm nada...apenas revelam que existem pessoas que se ocupam demais com a vida dos outros. Que se preocupam demais com o que fazemos ou deixamos de fazer. Quiçá seja por falta de vida própria, por frustração...

O que a minha vizinha do lado faz ou não, não me diz respeito, se ela quer pintar a cara de cor-de-rosa ou o cabelo de verde, o que é que eu tenho a ver com isso?! Nada! Assim como ninguém tem nada com isso se eu quero emagrecer muito ou pouco. Mas deixo a ressalva que desejar a alguém que tenha uma doença grave para que assim se possa emagrecer muito até ficar anorética é de muito mau gosto.

É revelador de uma pessoa muito mal resolvida, muito mesquinha, muito frustrada, muito IMBECIL!

E na blogosfera, tal como na vida existem estas pessoas que pensam que são muito superiores aos outros por dizer/fazer/escrever determinadas baboseiras e que no final das contas são ridicularizadas, humilhadas, insultadas.

Ajudai-me gente do Porto!

Vós que habitais na Cidade Inbicta, podereis dar uma ajuda aqui à moça?

Pois que as férias já estão decididas. Vamos todos para Réus (Barcelona) para casa do tio que insiste em convidar. Somos 6, o que se torna um problema grande em termos de transporte de e para o Aeroporto.

Apanhamos o avião no Porto as 6.30 da manhã...e para evitar 2 carros estavariamos a pensar levar 1 carro, estacioná-lo no aeroporto por 5€/dia, e uma pessoa iria de autocarro. Após uma pesquisa na rede-expressos constatei que há um autocarro às 2 da manhã a sair de leiria que chegará ao Porto às 4.25. Seria perfeito, não fosse depois o taxi até ao aeroporto custar a módica quantia de 18/20€. Tentei arranjar soluções alternativas mas não estou a conseguir. Metro abre as 6 da manhã e o primeiro a chegar ao Aeroporto chega às 6.45. Muito tarde para mim. A volta é as 10 da manhã, o que facilita, mas a ida...Não me está apetecer levar 2 carros (e fazer 200kms + portagens+estacionamento no aeroporto) por causa de 1 pessoa e por isso mesmo nem me importo de ser eu a ir de autocarro, por outro lado, também custa pagar 14.50€ de autocarro mais 18 ou 20 de taxi.

Alguém sabe de mais soluções alternativas? Alguma alma que a essa hora da manhã apanhe o mesmo avião que eu dia 3 de Setembro?

Agradecidinha!

sábado, 20 de agosto de 2011

Das anonimas da nossa vida blogosférica

TENHO UMA DUVIDA.PUBLICO OU NAO COMENTARIOS IMBECIS DE ANONIMAS IMBECIS?

quinta-feira, 18 de agosto de 2011

Daquelas que nos inspiram

Existem dias dificeis. Daqueles em que nada nos fica bem aos nossos olhos, daqueles em que se torna dificil suportar uma crítica, uma brincadeira. Existem dias mesmo lixadinhos.




Hoje é um dia assim. Porque não me sinto bem no meu 1,73 e 70kgs de peso...O IMC está dentro do normal, o médico diz para não emagrecer mais pois a estrutura ossea ressentir-se-á da falta de suporte muscular, blá blá blá wishkas saquetas.




E embora não me apeteça cometer nenhuma loucura calórica...a verdade é que sou preguiçosa demais para me didicar com afinco à bicicleta que tenho a ganhar pó...




E sinto que sou fraca, fraca e sem força de vontade. Eu que sou tão moralista com a força de vontade (para os outros) dou por mim sem força de vontade suficiente para iniciar um programa de treino sério para combater a flacidez e os 4/5 kgs que quero perder.




Mas a blogosfera tem pessoas que nos inspiram, que nos dão uma mãozinha sem sonharem que o estão a fazer. E num impluso li o Pura Essência de fio a pavio. Porque a Lebasiana é uma Mulher que sem preconceitos admitiu que era desleixada com ela própria, que era maria rapaz e que tinha a auto-estima muito em baixo. E quis mudar e mudou. E mudou radicalmente e sente-se muito mais feliz agora com a imagem dela, com o interior dela, com a vida que ganhou.




E hoje essa Mulher inspirou-me para eu mudar o bocadinho que quero mudar em mim!

quarta-feira, 17 de agosto de 2011

Do trabalho em equipa

Trabalhar em equipa é muito mais fácil. Trabalhar com companhia é mais fácil. Trabalhar e partilhar o serviço que temos em mãos é bastante mais produtivo.

Durante algum tempo fui um pouco intolerante a trabalhar em equipa. Porque a outra parte não fazia o que tinha de fazer com brio, com profissionalismo e nisso sou bastante chata. As coisas ou fazem-se bem ou não vale a pena fazer, porque depois dá o dobro do trabalho. E para ver coisas mal feitas preferia fazer sozinha, sendo acusada de egoísmo, de snobismo, de individualismo, etc e tal. E isso valeu-me a não renovação de um contrato. Valeu-me ficar desempregada 2 meses. Só e apenas 2 meses, sem qualquer tipo de rendimento, porque ainda não tinha feito os descontos suficientes para ter direito ao subs. de desemprego.

Fiz-me à vida. Agarrava com unhas e dentes qualquer oportunidade de trabalho...só pareceram 2. Como promotora. Não me caíram os parentes na lama por estar a fazer promoção de água do luso no Modelo, e semanas mais tarde vender bonecos na instituição onde trabalho agora. Ganhava 1 euro por cada boneco que vendesse. E por vezes não vendia nada...Era um trabalho solitário, ingrato, mas era melhor que nada.

Através disso surgiu a oportunidade de trabalhar onde trabalho. Eu e a minha chefe apenas. Eu que sou de turismo, habituada a lidar com o público, a estar atrás de um balcão, a falar com muitas pessoas diferentes por dia, de repente vi-me fechada um gabinete...e foi terrível, terrível, terrível.

Com o passar do tempo habituei-me e agora até prefiro, é bem mais calmo, e quando estamos em dia não...o facto de não termos de lidar directamente com o público ajuda em muito. Caso contrário, teria sempre de mostrar o meu melhor sorriso, trabalhar para o lazer dos outros e ficar ainda mais com a neura. Assim leva-se melhor. Não queremos falar não falamos, não queremos sorrir não sorrimos.

Mas eu também tive sorte pela chefe que tenho. Também não suporta trabalho mal feito e por isso foi-se tornando persona non grata por muitos que por aqui andam, porque é muito exigente, dizem eles. Não se tanta de exigência, trata-se de profissionalismo e brio profissional. E nisso estamos plenamente de acordo.

Funcionamos muito bem em equipa. o que uma pensa fazer a outra já fez. O que uma pensa em melhorar a outra melhora. O que uma faz a outra aprende. E assim o nosso serviço é dos que melhor funciona nesta instituição (cof, cof, cof). Tenho noção disso, porque somos elogiadas, porque vemos frutos do nosso trabalho e porque queremos sempre mais e melhor.

E só resulta porque trabalhamos bem em equipa. Aqui não há individualismo, egoísmo, snobismo. Falamos em "Nós" e o que uma faz a outra tem conhecimento. Não há nada que passe ao lado uma da outra. O serviço não pára se uma de nós não está. E ela não tem aquela postura de chefe. Somos colegas. De igual para igual. Não há aquele assunto que só o chefe é que sabe, só o chefe é que trata. Eu tenho pela liberdade para tratar e resolver como sei ou me parece. E afinal o problema do trabalho em equipa não era meu. Talvez a maioria das pessoas com quem trabalhei não sabia efectivamente o que era trabalho em equipa.

Estou a trabalhar sozinha desde o dia 18 de Julho...as férias da chefe são compridas...e estou mesmo de rastos. Tenho o serviço todo em cima de mim...e apesar de ser o 4º ano a assegurar sozinha o serviço continuo sem querer desiludir ninguém nem a mim própria. Ando de rastos e gosto muito mais de trabalhar em equipa. É mais facil, mais seguro, mais leve.

sexta-feira, 12 de agosto de 2011

Da teoria à prática



Mas, o dever impõe-se, a ida a Serpa tem um objectivo: conversar com Luís Afonso, o geógrafo, o cartoonista, o homem do teletrabalho, o alentejano. O encontro está marcado para a livraria “Penso Ouvimos e Lemos”. Um grupo de alentejanos está sentado no jardim “por favor sabe onde é a livraria? ” é mesmo à sua frente, respondem, sorrindo.
Não é preciso ouvir o sotaque, nem ver o olhar que tudo alcança, para perceber que Luís Afonso é alentejano. Não um alentejano do passado, das fotos ou dos desenhos, um alentejano de ontem, de hoje e, principalmente, do futuro.
Adiantando-me já à conclusão da conversa que mantivemos com o Luís Afonso, posso dizer que ele é o seu próprio cartoon. Usa o silencio, a simplicidade, os desenhos e o humor para fazer uma reflexão crítica sobre o mundo que o rodeia.


À questão “porquê optar por ficar no Alentejo?”, Luís Afonso coça a barba, sorri e atira “ Costumo dizer: há várias razões para ficar no Alentejo, não vejo nenhuma para sair”. Confesso que pensei em parar a entrevista aqui, aquela resposta dizia tudo, ou melhor, tudo o resto seria apenas para compor o ramalhete e partir para um outro tipo de conversa, quem sabe a outra hora e com outros acompanhamentos que não fosse o café da manhã.
“Dei aulas durante dois anos, depois fui trabalhar para a Câmara de Serpa como Geógrafo e comecei a colaborar na Associação Terras Dentro, dava apoio, como geógrafo, a várias câmaras da margem esquerda”.
Vi nele um certo orgulho quando referiu que tinha feito a caracterização geográfica da zona de intervenção da Associação, que ganhou a gestão do Leader 1 nesta zona.
Um dia voltou ao ensino, era preciso um professor de Geografia para dar o 12º ano, caso contrário, os jovens de Serpa teriam de ir para Beja, juntando isto a questões familiares, mais um filho vinha aí, Luis Afonso aceita ir dar umas aulas.
Mas, não era o professor de geografia que me tinha levado a Serpa, Luís Afonso era o cartoonista que nos faz sorrir com as muitas demasiadas noticias más que enchem as páginas dos jornais, depois lá vem o Luis Afonso desmontar as tragédias e dar um sentido à vida...digo eu.
“Pois nessa altura, quando vim dar aulas, o trabalho nos jornais apertou um pouco”.
“Ah...e quando é que isso começou?” Indaguei.
“O trabalho nos jornais surge ainda quando eu estava em Lisboa, aliás foi logo no primeiro ano, eu publiquei uma banda desenhada e nessa altura perguntaram-me se eu não queria fazer cartoons numa publicação semanal.”
E os cartoons entraram na vida deste alentejanos e desde então “não houve semana em que eu não fizesse cartoons, em 1990 fui para “A Bola”, em 91 para a “Grande Reportagem” e em 93 apareceu o “Público”, e é nessa altura, com o aumento do trabalho como cartoonista, que começo a ter dificuldades em conciliar as minhas três vidas, a de professor, a familiar e a de cartoonista, alguma tinha de ficar para trás, e foi o professor que se perdeu”.
Fazer cartoons para publicações nacionais e viver fora dos grandes centros não era, na altura “normal”.No princípio disse Luis Afonso “Era difícil, a tentação de sair daqui para fazer o meu trabalho era muito forte. Porque os meios técnicos não eram os que são hoje, não havia internet, eu mandava os trabalhos por fax e o fax já era uma grande coisa. Tive de comprar um fax, porque à hora em que por vezes tinha de mandar os trabalhos não havia fax em lado nenhum. Lembro-me que foi uma das coisas mais caras que comprei, um fax”.
“ Não era fácil trabalhar, para onde quer que ia levava o fax, era para fins de semana para férias, enfim... e depois tinha de ir à linha de telefone desmontar e ligar o fax e por vezes as pessoas entravam em pânico, mas lá ia trabalhando, lá ia de fax às costas e com a mala de ferramentas”
As novas tecnologia ao serviço do homem são boas, disse eu a Luís Afonso “Hoje é uma felicidade, posso estar no meio do campo e mandar os cartoons, hoje é muito fácil”.
Nesta altura lanço a pergunta “trabalhar no Alentejo com a beleza a tranquilidade é inspirador?”
“Isso de estar no campo e ser inspirador é um mito e no meu caso particular não inspira coisa nenhuma, porque a minha inspiração vem de haver ou não haver noticias”.
infra-estruturas físicas e para as pessoas que poderiam gerir melhor o seu tempo e evitariam a, por vezes, erosão das relações humanas”.
É portanto apologista do teletrabalho?
“É engraçado... De vez em quando, se se fala em teletrabalho, vêem ter comigo. Eu faço teletrabalho há vinte anos! Gosto de gerir a minha vida, o meu tempo e o meu dinheiro, não sou nada liberal em termos laborais, as pessoas devem ter o mínimo de segurança no emprego, ainda que eu não a tenha, eu sou um tipo que vive há 20 anos de recibos verdes e não há que dramatizar”

“A qualidade de vida, o tempo que o Alentejo pode dar às pessoas já cá está, o que é fundamental saber, é o que essas pessoas poderão vir a dar ao Alentejo. Se as pessoas que vierem para o Alentejo não se acomodarem, se souberam aproveitar o tempo que poupam nas deslocações nas grandes cidades e se o aplicarem aos outros e à região então todos ficam a ganhar. As pessoas aqui podem aproveitar o tempo para pensar em novos projectos, em novas ideias, que tornem ainda mais viável a vida nesta região, aumentando a sua alegria e a oferta do Alentejo”
O tempo não parava e da meia hora ou uma hora prometida já lá iam duas e ainda havia tanta coisa para falar.
O que recusas ser no Alentejo?
“Um figurante para turista ver e fotografar, eu quero um Alentejo com condições de vida e que haja mudanças. Temos de compatibilizar a tradição e a componente moderna temos aqui espaço para a memória e para a inovação, e a mudança vai ser feita pelas pessoas que aqui estiverem, por isso, quanto mais pessoas vieram para o Alentejo mais massa critica haverá mais ideias mais opiniões diversificadas existirão e por isso a mudança positiva é inevitável.”

Acabei de me cruzar com esta entrevista...
 
O que daqui retenho é a ultima frase: (...) Alentejo sem complexos, que tem muito para dar, mas que também está ávido de receber.
 
É que em teoria é muito bonito e tal, qualidade de vida e tal...mas precisamos tanto, tanto de receber...que só quem cá vive o entende realmente!Porque não temos acesso fácil a coisas banais, coisas comuns...e por vezes torna-se difícil entender o porquê de estamos completamente esquecidos...

Graxista

Já ando para o fazer há algum tempo, mas ainda não tinha encontrado as tais.

O meu marido é um ser que acha que o consumo é desnecessário. Acha que nunca precisa de roupa, sapatos e afins, mas eu quero que ele ande bonitinho. E adoro All Star. E ele também mas acha que são caras e por isso nunca compra. E já tem 2 pares que compramos antes do casamento, porque a ideia de ir de All Star para o casório vingou e era urgente comprar. Compramos uma cinza e uma azuis. Para ele que para mim não havia o número certo. Depois de 2 anos a dar-lhe forte eis que chega a altura de comprar umas novas, não por necessidade mas por capricho meu. É queria comprar-lhe em laranja, mas não havia o numero certo. E queria comprar verde, mas não havia o número certo. E queria comprar azul turquesa, mas não havia o número certo. Raio do homem, não seria mais fácil ter um pé de tamanho 40?!? Não, tem de ser o 41 e 1/2...e desse número só havia branco imaculado. Seja, que daqui a pouco acaba o Verão e All Star só para o ano. E lá comprei, em branco imaculado.

E lá vou eu aparecer em casa com um saco enorme, dar-lhe os ténis e depois..."Morzito,olha é só para te dizer que perdi o anel que eu quis que tu me oferecesses...". Vai soar ma...parece que estou a dar graxa, do género...eu perdi o anel mas não te zangues comigo afinal estou a oferecer-te um presente.

Não foi nada premeditado, juro. Estavam com 15% de desconto e aproveitei. E espero que ele goste. E quando fizermos anos de casados me ofereça outro anel...Prometo que tento não o perder.

A culpa é da dieta

Os meus dedos nunca foram gordos...mesmo quando eu aparentava semelhanças a um cachalote.

Nunca usei muitos aneis por causa disso...os dedos são fininhos e todo e qualquer anel tem de ser tamanho 12...e mesmo assim cai do dedo.

A aliança era quase do tamanho certo quando comprámos mas foi ficando larga e pedi ao meu gajo um anel muito simples para comemoração do 1º aniversário de casamento. Ficava mesmo mesmo bem ao lado da aliança e ajudava a que ela não caísse.

Com o passar do tempo este também foi ficando largo e hoje perdi-o...Só me apetece dizer palavras feias!

O anel não é nada de especial, é simples e foi barato, mas era meu, gostava dele e tinha um valor sentimental enorme...

quinta-feira, 11 de agosto de 2011

Do (pre)conceito

Por vezes sou (pre)conceituosa...em diversos temas comuns, pessoas, coisas. Sou, assumo.

Mas depois de constatar que afinal o meu (pre)conceito está longe de ser verdade, longe da realidade, fico toda feliz e contente. Por me abrir horizontes e por me ajudar a ser uma pessoa melhor, mais culta e bem formada.

Da cozinha...

Apesar do calor infernal que se faz sentir aqui neste Alentejo profundo, ando armada em chef, e chego a casa e agarro-me ao fogão como se não tivesse mais nada para fazer.

Ontem foi dia de experimentar fazer caracois. E não é que estavam quase bons. Faltaram algumas coisas, entre as quais, mais sal, mais pimenta e mais tempo de lume brando para sairem todos da casca, mas fora isso...comiam-se...alguns...

Para primeira vez não estava mal de todo (estavam comestíveis pelo menos), mas ainda tenho um looooooooooongo caminho a precorrer.

Agora tenho uma bola de mozzarella para lhe dar destino. Amanhã há jantarada com amigos, Sábado piquenique e Museu do Pão em Seia, por isso não vou esperar até Domingo para aproveitar me deliciar com mozzarella (qual bomba calórica). Hoje está outra vez muito, muito calor por terras alentejanas mas vou dedicar-me novamente a cozinhar qualquer coisa diferente do habitual.

Gosto de inventar na cozinha e experimentar coisas novas. Tem dias que invento tanto que depois não consigo repetir a receita que até estava boa. E tem outros dia que nem me apetece comer porque ando farta de comer carne, peixe, arroz, massa, batatas, ovos...um destes dias almocei atum com salada de tomate, e soube-me tão bem que repeti a dose o resto da semana. Mas agora ando com uma vontade de inovar inventar.

Hoje o almoço será caracois e tenho esperança que saibam melhor hoje...

quarta-feira, 10 de agosto de 2011

Dos suicidios

Infelizmente o tema não é novo para mim...tive um primo que se suicidou quando tinha 18 anos. Éramos da mesma idade e acima de tudo, mais que primos éramos amigos. Uma colega de escola logo depois suicidou-se porque era hermafrodita e não conseguia viver com isso...

Na véspera do meu casamento um tio, pai do meu padrinho também se suicidou. O pai de uma amiga suicidou-se porque não conseguiu superar a doença e morte da esposa. No trabalho 3 colegas suicidaram-se em menos de 6 meses...e agora recentemente soube do caso de uma senhora (que conhecia da época da escola porque era dona do café que frequentávamos) que tentou o suicídio porque o marido a traiu.

É preciso ter muita coragem para por termo à vida. É preciso uma capacidade de abstracção muito grande, um sangue frio imenso.

Ainda assim, nada justifica acabar com o bem mais precioso que temos que é a vida. Por muito duro que seja, há que enfrentar o problema e resguardar-nos o mais possível para bem da nossa sanidade mental.É que depois não há volta a dar. É egoísmo pensar demasiado nos nossos singelos problemas e não pensar na dor de quem cá fica, pais, filhos, irmãos...é doloroso demais.

No caso do pai da minha amiga, ela ficou órfã com 21 anos...tinha acabado o curso, não tinha emprego...ficou abandonada à sua sorte, a mãe tinha morrido subitamente de doença em Janeiro e o pai suicidou-se em Junho...Ela não o perdoou...nem perdoa...

No caso da senhora que tentou o suicídio por o marido a ter traído iria abandonar 3 filhas maravilhosas com 12, 8 e 4 anos...Elas mereciam isso?!Não, claro que não.

Não me cabe a mim tecer comentários e fazer juízos de valor sobre as motivações de cada um, mas é demasiado cruel abandonar assim os filhos...num puro acto de egoísmo porque não se consegue aguentar o sofrimento.

Todas as pessoas sofrem e todos temos problemas mas se o suicídio fosse a solução todos o fariam e acabava a raça humana em 3 tempos.

Nenhuma vida humana tem mais importância que a nossa própria vida...nenhum problema fica sem solução, nenhuma outra razão é mais importante que a nossa vida. Temos momentos complicados, momentos tristes, momentos dolorosos, mas é tão bom viver dia após dia com as pequenas coisas que a vida tem para nos oferecer. É tão bom sermos felizes por um momento. Nem que seja por 1 segundo. A felicidade vivida num segundo apaga todos os dias maus que ficaram para trás. Não nos devemos privar de sermos felizes nem que seja por esse segundo, mesmo que esse segundo tarde a chegar, um dia chegará e devemos preservar a nossa vida sempre.

Outfits de trabalho

Até posso ser um bocadinho conservadora, retrogada, pudica, demodê, o que me quiserem chamar, mas para trabalhar visto-me de acordo com o local onde estou.

Não me parece bem ver indumantárias para trabalhar que mais parece que se vai para a praia, ou pior, para uma saída à noite.

Também não me parece bem ver indumentarias que são o ultimo grito da moda mas nada adequadas ao local de trabalho, senão vejamos: mini-saias (nada adequadas para quem tem de se baixar regularmente), saltos vertiginosos compensados (para quem tem de andar de um lado para o outro), tops cai-cai (que por vezes quase que caiem mesmo), blusas sem costas, decotes até ao umbigo e demais indumentarias sugestivas.

Isto é uma instituição publica, não tendo dress code, deve reger-se pela formalidade, também devido ao serviço que presta, mas por vezes os meus colegas abusam da sorte.

Não digo que as mulheres não possam andar de vestidinhos, tops, saias, saltos altos e por ai fora, mas devemos todas ter decoro...Para os homens, chinelos e calções também não me parece correcto. Vamos prestar um serviço a uma população. Somos a cara da instituição. Mesmo que aleguem estar dentro de um gabinete e que não tenham contacto com o público...pode haver uma reunião de ultima hora com superiores, com entidades externas, enfim...um sem número de pessoas podem requerer a nossa presença quando menos esperamos.

É possível apresentar vestimentas descontraídas mas compostinhas. Penso eu de que...

sexta-feira, 5 de agosto de 2011

Amoras Silvestres

A minha sogra ontem apareceu lá em casa com uma caixa cheia de amoras silvestres.

Adoro, adoro, adoro. Pena é custar tanto a apanhar nos silvados...mas são uma maravilha.

A reter: O facto dela ter ficado com os braços todos arranhados para apanhar amoras que eu gosto e me dar não invalida eu estar zangada (furiosa) e desiludida com ela pelas bocas que vai lançando para o ar...e tampouco muda a minha opinião sobre a génese de pessoa que ela é...mas pronto, é mãe do meu marido e ontem deu-me amoras silvestres.

quinta-feira, 4 de agosto de 2011

Como eclipsar uma embalagem de mascarpone

Tinha uma embalagem de mascarpone no frigorífico e tinha passado a validade um dia antes. E como estava muito calor apetecia-me algo fresco e tinha mesmo de utilizar o bom do queijo.

Em vez de pesquisar uma qualquer receita resolvi dar uma de chef.

Coloquei o mascarpone no liquidificador com 3 colheres de coco ralado e uma lata de leite condensado que andava por ali aos trambolhões à meses. Aquilo ficou tão liquido tão liquido e quase irremediavelmente perdido. Resolvi acrescentar um pacote de natas a ver se a coisa se compunha. Pior, mais liquido ficou.

Entrei na dispensa determinada a sai dali com qualquer coisa que servisse, nem que fosse farinha maizena (a minha amiga das desgraças culinárias). Encontrei um pacotinho de gelatina de morango. Seja! E então, em vez de fazer com os 250ml de água quente e os 250ml de água fria, eliminei a água fria e dissolvi a gelatina em 200ml de água quente. Misturei aos restantes ingredientes que estavam no liquidificador e coloquei numa taça.

Liquido mais liquido não havia, mas como tinha gelatina ainda fiquei esperançada. Bendita a hora que encontrei a gelatina. O mascarpone deve ter servido para nada naquela receita, mas estava lá. E no dia seguinte tinha uma espécie de bavaroise de morango. Uma espécie de...mas estava boa boa boa!

Nota: este post estava em rascunho desde a semana passada, e hoje é que me lembrei.

quarta-feira, 3 de agosto de 2011

Preguiça dá prejuizo...

Hoje estou com uma preguiça tão grande que nem me apetece escrever o meu nib num talão de reembolso da ração do cão.

Exercitar o pensamento dá nisto...

É ponto assente que queremos mudar de cidade, mudar de emprego e mudar de casa. E ambos estamos de acordo quanto aos timmings certos (ou mais ou menos certos) para o fazer.

E agora...acabei de ter uma ideia de negócio que poderá resultar muito bem aqui onde vivemos (a ideia não é nova, mas temos espaço e condições para o realizar, bem como é algo que não existe nem aqui nem num raio de 100kms), que tem tudo a ver connosco...

Estou num dilema...se andar com a ideia para a frente não poderei voar para outro lado e se voar para outro lado já não posso realizar este projecto...

E agora?

terça-feira, 2 de agosto de 2011

O fiel amigo de 4 patas

Durante uns tempos o meu cão estava apático, sem energia, sempre com sono, quase não comia e o pelo teimava em cair muito, o que originava bolas de futebol de pelo nos cantos da casa...

Andava a passar-me com o bicho...bem sabia que ele não tinha culpa, mas aquele pelo todo pela casa era coisinha para me levar ao desespero e a equacionar a hipótese de não ficar com o cão caso viesse a ter um filho. Iria custar-me horrores mas aquele pelo todo tirava-me do sério...

Assumimos que fosse do calor o estado apático dele, e a queda exagerada de pelo. E assim andamos durante uns 2 meses.Até que o meu gajo (rapaz atento e sábio) alertou-me para o facto das gengivas do canito estarem mais vermelhas que o habitual. Eu ao inicio desvalorizei, e como nunca reparei nas gengivas não tinha termo de comparação. Até que os dentes começaram a escurecer. E rumamos ao veterinário.

Diagnosticaram-lhe Periodontite. Não é mais que acumulação de tártaro e como eles não lavam os dentes vai piorando e torna-se um meio priveligiado para bactérias. Essas podem entrar na corrente sanguinea e levar a falência dos orgãos internos, num estado avançado da doença. Os cães mais pequenos têm mais aptencia para desenvolver esta doença e por isso convem tratar assim que é detectada.

E para além de antibiótico que tivemos de fazer durante 10 dias, escovar os dentinhos 3 vezes por semana lá teve de fazer a destartarização. Ficou uma tarde no veterinário, com anestesia geral que o deixou completamente K.O. e sem forças para nada. Lá se restabeleceu e agora, continuamos com o antibiotico e com as lavagens dos dentes e...mudamos a ração. E agora qual Lord até tem direito a ração do veterinário que custa a módica quantia de 16€/2kgs.

Custa um pouco dar esse dinheiro por um saco de ração, e mais a despesa do veterinário mas era incapaz de deixar o meu amiguinho a sofrer.

Agora com aquela ração não tenho um pelinho em casa o que me deixa muito contentinha.

Assumimos ter o cão e por isso devemos proporcionar-lhe todo o conforto e bem estar possivel. para além de que é super nosso amigo, desobediente é um facto, mas muito amigo e muito fiel.

Nunca tinha visto o filme "Marley e eu", deu no fim de semana, e fartei-me de chorar...é que de facto, mesmo sendo apenas um cão, faz parte da nossa familia e jamais teria coragem de o abandonar ou de o deixar sofrer até morrer.

Capacidades

Por vezes dou por mim a fazer mais do que uma tarefa ao mesmo tempo. Quem diz no trabalho diz em casa.

Não sei se é uma qualidade ou um defeito. Ainda não decidi.

Consigo fazer algo completamente diferente num intervalinho de segundos, enquanto espero por uma impressão por exemplo. Segundos preciosos para ir fazendo algo que não exige demasiada concentração. Há quem inicie uma tarefa depois de ter ternimado outra. Dizem que isso é que é ser organizada.

Pois eu não acho que se trate de organização ou desorganização. Se consigo fazer várias coisas simultaneamente não vejo necessidade de esperar que uma esteja terminada para iniciar outra.

Mas por vezes a "pressa" de fazer tudo resulta numa grande tareia à minha pessoa. Fico exausta, e penso "Caramba, não havia necessidade de te esforçares deta maneira se tinhas tempo de sobra".

E por isso ainda não decidi se é uma qualidade ou um defeito.

Das opções de vida

A minha chefe foi de vacaciones. Está a fazer o California Dream.

Todos os anos ela faz uma viagem grande e uma pequena. Isto quer dizer: uma grande em Agosto e uma pequena na Páscoa. E isto quer ainda dizer que entende pequena por ir a Cabo Verde, a Palma de Maioca, à Turquia, à Madeira, a Cuba,à Grécia...e por ai fora, e entende grande viagem por ir à Russia, ao Brasil, a NYC, à Argentina, ao Chile, a Maiami, a Las Vegas, e por ai fora.

Trabalho com ela desde 2007, e desde aí já foi 3 vezes à Madeira (e acho que já foi umas 10 vezes), 3 a Cabo Verde, à Turquia e Antalya, à Russia, a Palma de Maiorca, a Lanzarote, à Polónia, a Viena e Budapeste, e agora a Los Angeles, S. Francisco e Las Vegas.

Acho fantástico. A verdadeira turista.

Nunca se lhe conheceu nenhum namorado, vive sozinha, dedicada à familia. Está quase a reformar-se e diz que espera ter saúde para gozar a reforma com viagens.

Eu admiro-a, pela pessoa que é, pela competência, pela lealdade...é das pessoas mais correctas e justas que alguma vez conheci.

Por outro lado, não entendo bem a opção de vida...viajar, conhecer este mundo e o outro, mas...chega a casa e não tem com quem partilhar o dia-a-dia, não pode conversar sobre o que está a dar a TV, comentar uma noticia, falar sobre um filme, trocar impressões sobre o que fazer para o jantar, sobre as compras a fazer no supermercado...

Cada pessoa faz a opção de vida que melhor lhe parece, ou porque assim o prefere ou porque determinadas circunstâncias da vida assim o ditam, mas a mim esta não era uma opção de vida viável.

Gosto de estar sozinha, mas tenho muito medo da solidão. Daquela solidão de não ter ninguém para partilhar o meu dia-a-dia. Daquela solidão de não ter o conforto de um abraço. Daquela solidão de não ter um filho (de sangue ou não - porque mãe e pai são quem cria e dá amor). Daquela solidão de olhar em volta e ver que não resta ninguém da minha família. Daquela solidão de não ter quem me ligue no dia de aniversário nem que me cantem os parabéns. Daquela solidão de estar doente e não ter quem me leve um copo de água à cama, ou prepare o pequeno-almoço. E não falo em viver 10 anos sozinha. falo numa vida de 60, 70 ou 80 anos...Daquela solidão de cair da cama e não ter forças para me levantar e ficar áli a definhar dia após dia...

Tenho mesmo muito medo dessa solidão e não trocava uma "vida padrão" por todas as viagens pelo mundo.

segunda-feira, 1 de agosto de 2011

Esmiuçemos

Isto, e isto.

Há coisas que efectivamente me ultrapassam...ora se o cargo é motorista...porque os vencimentos são tão diferentes...?!E não me parece que se trate de antiguidade na profissão...

Deslarguem-me que vou-me a eles!!

E após ter dado uma valente decompostura ao Sr. Eng responsável pela obra da minha casa não me sinto melhor.

Passaram 5 anos, consequentemente a garantia também...e problemas resolvidos nada...

E o ultimo agendamento seria durante o mês de Julho. O Julho passou e nada. Porque é um mês de férias. E no Inverno não se pode arranjar nada porque chove.

E sim, foi uma valente descompostura tudo dentro da boa educação. Só não lhe chamei mentiroso porque não calhou. mas de caminho fiz queixa às Entidades que regulam a actividade e a profissão dele. Temos pena. Resolvesse o que tinha para resolver em tempo útil.

Mas não me sinto melhor. Estou nervosa, raivosa diria mesmo. E só não ataquei ferozmente um chocolate/gelado/outra coisa qualquer porque tenho aqui ao lado a voz da consciência, minha e dela, senão era mesmo um chocolate devorado em menos de 5 segundos...

Mesmo depois de descarregar 5 anos de problemas de construção ao telefone e de me sentir exausta com o discurso que tive...não me sinto melhor...sinto-me pior...mais enraivecida por nada ter sido resolvido.

Mas não me calo, que a Vera boazinha acabou. Agora é partir para a guerra e ganhar!

Uffa, até isto foi escrito a velocidade relâmpago!